sequestro de estoque

Já ouviu falar em sequestro de estoque? Caso você seja um lojista, é muito importante ficar por dentro desse tipo de prática, que infelizmente tem sido cada vez mais frequente tanto no Brasil quanto no exterior.

Muito utilizado no mercado de e-commerce (loja virtual ou comércio eletrônico), o sequestro de estoque funciona assim: durante épocas de intensa sazonalidade, como Black Friday, Dia dos Namorados e Natal, lojistas cujo foco é prejudicar empresas concorrentes realizam pedidos de um extenso número de produtos, via boleto bancário, em lojas que desejam lesar.

Como o pagamento por meio de boleto conta com um prazo de vencimento, em geral até três dias úteis (tempo para o banco fazer a compensação), esses lojistas de má-fé não pagam pelos itens que demandaram, o que acaba ocasionando a retenção do estoque do concorrente. Entre os prejuízos dessa prática está a necessidade de, muitas vezes, ter que retirar as promoções do ar.

Uma vez com as mercadorias fora de circulação, os varejistas prejudicados perdem vendas e acumulam déficits financeiros justamente em épocas muito relevantes para este setor, o que pode gerar consequências negativas durante o restante do ano. Entre os mais afetados costumam estar médios e grandes e-commerces nas áreas de eletrônicos e moda – alguns dos mais concorridos do mercado.

Desconfiar de pedidos suspeitos

Desconfiar de pedidos suspeitos é uma das dicas dos especialistas para evitar o sequestro de estoque/Foto: Scott Graham/Unsplash

Sequestro de estoque: como evitar?

Mas como evitar o sequestro de estoque? Especialistas nesse tema consideram que se livrar desse tipo de prática é bastante difícil. Uma alternativa encontrada nos últimos anos, principalmente em relação a Black Friday, foi deixar a maioria dos produtos disponível apenas para aquisição via cartão de crédito, limitando, assim, parte do estoque para vendas por boleto.

Deixar, simplesmente, de vender através de boleto é uma decisão complexa, pois este meio de pagamento responde por boa parte das transações feitas no comércio eletrônico brasileiro, o que pode acarretar prejuízos aos lojistas.

Desconfiar de pedidos suspeitos

Cofundador da Konduto, empresa que combate fraudes no e-commerce, Tom Canabarro defende que os lojistas precisam elaborar estratégias de prevenção com base em dados, promovendo uma espécie de pente fino em pedidos, aparentemente, suspeitos.

“O que o pessoal faz é olhar alguns padrões. Se tiver um carrinho com 25 SKUs com o valor de R$ 5 mil, por exemplo, é estranho. Isso pode cair para uma equipe fazer um pente fino”, explicou Canabarro ao portal Consumidor Moderno.

Para evitarem o sequestro de estoque, algumas empresas desenvolveram boletos que têm data de vencimento personalizável e confirmação de pagamento em menos de uma hora. Dessa forma, os comerciantes conseguem emitir boletos para o mesmo dia com facilidade, o que já ajuda a evitar o golpe, levando-se em consideração que a Black Friday, por exemplo, costuma ser prolongada até a segunda-feira posterior.

pessoa fazendo pagamento via pix

Pagamentos via Pix podem ajudar a reduzir os golpes oriundos do sequestro de estoque/Foto: Christiann Koepke/Unsplash

Sequestro de estoque x Pix

Lançada em 2021, uma alternativa importante para evitar a prática do sequestro de estoque foi, sem dúvida, o Pix, modalidade de pagamento instantâneo desenvolvida pelo Banco Central. Ela atende os clientes que preferem realizar compras à vista ou que não dispõem de cartão de crédito, como nos casos daqueles que costumam pagar por boleto.

Um dos diferenciais positivos do Pix é que essa modalidade recebe a autorização quanto à transação em poucos segundos. Dessa forma, o pagamento é realizado e identificado na mesma hora, o que impede o sequestro de estoque pelos golpistas.

Perguntas frequentes

1. O que é o sequestro de estoque?

Durante épocas de intensa sazonalidade, como Black Friday, Dia dos Namorados e Natal, lojistas cujo foco é prejudicar empresas concorrentes realizam pedidos de um extenso número de produtos, via boleto bancário, em lojas que desejam lesar. Como o pagamento por meio de boleto conta com um prazo de vencimento, em geral até três dias úteis (tempo para o banco fazer a compensação), esses lojistas de má-fé não pagam pelos itens que demandaram, o que acaba ocasionando a retenção do estoque do concorrente.

2. Quais são os prejuízos que o sequestro de estoque pode causar?

Retenção de estoque, necessidade de, muitas vezes, ter que retirar as promoções do ar e perdas de vendas.

3. Quais são os setores mais afetados pelo sequestro de estoque?

E-commerces de eletrônicos e moda, entre outros segmentos.

4. Qual costuma ser o porte das empresas mais afetadas pelo sequestro de estoque?

Médios e grandes e-commerces.

5. Como evitar o sequestro de estoque?

Limitando as vendas por meio de boletos, elaborando estratégias de prevenção com base em dados, desconfiando de pedidos suspeitos e oferecendo a opção de pagamento via Pix como alternativa.

Outros posts